Category Archives: Reportagens

Administrador do “Silk Road”, site de venda de drogas e armas da “Deep Web”, é preso nos Estados Unidos.

O Fim do "Silk Road"?

O Fim do “Silk Road”?

Autoridades norte americanas prenderam um homem em San Francisco, Califórnia sob a acusação de ser o operador de um dos mais famosos sites da denominada “Deep Web” e que permitiria a seus usuários comprar armas e drogas do mundo todo usando uma moeda criptografada, denominada “Bit Coin”, a qual garantiria o anonimato dos mesmos.
Ross William Ulbricht, também conhecido como “Infame Pirata Roberts”, foi preso pelo FBI na terça-feira por seu suposto envolvimento com o site da “Deep Web” denominado “Silk Road”, um mercado online de drogas e armas, de acordo com documentos judiciais, publicados nesta semana.
Uma denúncia velada de 27 de Setembro teria sido formalizada pelo pesquisador de segurança Brian Krebs na qual Ulbricht é acusado de tráfico de drogas,  conspiração, lavagem de dinheiro e muito mais.
Segundo Promotores norte americanos, Ulbricht teria auxiliado no tráfico de substâncias controladas desde 2011 até a semana passada.
As Autoridades dos Estados Unidos dizem que os narcóticos movimentados através do site “Silk Road” incluiria um quilograma de heroína, 5 kg de cocaína, 10 gramas de LSD e 500 gramas de metanfetamina.
Além disso, os promotores afirmam que Ulbricht teria solicitado em março deste ano que um usuário do “Silk Road” praticasse um assassinato de aluguel. O candidato a vítima, de acordo com o FBI, seria um outro usuário do site, que teria ameaçado liberar a identidade de milhares de usuários do “Silk Road”.
Ao permitir a usuários realizar negócios através de software de anonimato, utilizando a moeda digital criptografada “Bitcoin”, o “Silk Road” funcionaria desde 2011 como um centro online para atividades ilegais.
Antes de ser encerrado, os clientes do “Silk Road” que tivessem conhecimento suficiente para navegar pelo site, podiam acessar uma infinidade de produtos para aquisição através de “Bitcoin”, tais como armas de fogo ilegais, drogas ou, supostamente, assassinatos.

Fraude contra Televisão por Assinatura

Cerca de 10% dos cerca de 17 milhões de assinantes da TV paga no Brasil em todas as modalidades utilizam artifícios fraudulentos como o denominado “cardsharing”com o objetivo de ter acesso a mais canais do que paga em seu pacote com a operadora. Em outras palavras: o assinante compra na rua ou na internet um receptor que consegue burlar a proteção no sinal que ele recebe em sua casa por intermédio do compartilhamento das chaves criptográficas pela internet. Fato é que a pirataria tem crescido de maneira praticamente equivalente em todos os países latinos e até mesmo nos Estados Unidos. Na reportagem apresentada pelo Jornal da Gazeta no dia 06 de Agosto de 2013, você pode acompanhar nossa entrevista trazendo comentários sobre a pirataria dos sinais de televisão por assinatura.

87 decodificadores de TV ilegais são apreendidos pela Polícia em feira popular de Brasília.

Ação Antipirataria em Brasília

A Polícia Civil do Distrito Federal apreendeu na terça-feira, dia 04, 87  (oitenta e sete) aparelhos decodificadores de sinal para TV por assinatura, utilizados para fraudar o acesso a programação de fornecida por empresas de televisão por assinatura (Cardsharing).
Os receptores, produto de contrabando, eram vendidos em bancas da Feira dos Importados, no SIA, Distrito Federal.

Ação Antipirataria em Brasília
Ação Antipirataria em Brasília

Durante a operação, quatro pessoas foram autuadas em flagrante, mas pagaram fiança e foram posteriormente liberados.
A ação é fruto de uma das várias ações promovidas pela Alianza Contra la Piratería de Televisión Paga (Aliança Contra a Pirataria da Televisão Paga), cuja missão é combater uma forma de pirataria conhecida na indústria de televisão por assinatura por “Cardsharing”, tendo a ação de campo realizada pela Delegacia de Combate aos Crimes de Propriedade Imaterial (DCPIM) da Polícia Civil de Brasília.
Desde 2010, mais de 50 marcas de decodificadores destinados à pirataria dos sinais de televisão por assinatura apareceram no mercado latino-americano.
Esta modalidade de pirataria é comandada por fabricantes internacionais dos decodificadores e pelas redes organizadas de distribuição e apoio ao uso dos aparelhos para propósitos não autorizados.

Ação Antipirataria em Brasília
Ação Antipirataria em Brasília

Entre os atuais apoiadores da Alianza estão DirecTV PanAmericana, Sky Brasil, Telefonica, VTR e Claro Peru, Claro Ecuador, Claro Colombia, Claro Chile, Discovery, ESPN, Canais Latino Americanos da Fox International, Globosat, Grupo Latino Americano da HBO, Telecine, Televisa, Turner Broadcasting System Latin America, Win Sports, ABTA, Media Networks Latin America e Nagra.
Os aparelhos decodificam recebem pela internet ou por um outro satélite as chaves criptográficas utilizadas para codificação dos sinais transmitidos pelas operadoras de televisão por assinatura e e permitem que seu utilizador possa assistir aos canais fechados, permitindo acesso total a programação dos canais de televisão.
Nesta operação a Polícia também autuou seis bancas instaladas na feira.
Segundo o Delegado Luiz Henrique Sampaio, que coordenou toda a operação, os aparelhos vendidos eram todos contrabandeados e seus vendedores forneciam inclusive à pessoa responsável pela instalação do produto.
Segundo a Polícia, o preço do aparelho variava entre R$300,00 a R$700,00, sendo que o valor da instalação custava em torno de R$120,00.
Todos os aparelhos apreendidos foram contrabandeados da China, Coreia e Paraguai, sendo que os autuados deverão responder por contrabando e crime contra o consumidor, ficando sujeitos a penas que variam de 1 a 6 anos de prisão.

Ação Antipirataria em Brasília

Microsoft reconhece Código postado no site “Pastebin” que identifica endereços IP no Skype como uma possível falha de segurança.

Falha no SkypeUm Código postado no site “Pastebin” que apontaria o último endereço IP de usuários, está sendo verificado pelo Skype como uma possível falha de segurança.
Um software, postado no “Pastebin”, trabalharia com uma versão corrigida do Skype 5.5 e envolve a adição de algumas poucas chaves de registro que permitem que o atacante possa verificar o endereço IP de usuários online no momento, sem ser necessário chamá-los.
A partir dai, serviços como o “Whois”, podem dar outros detalhes sobre a cidade, país, provedor de Internet e/ou blocos de endereço IP do alvo.
Nick Furneaux, MD de pesquisadores de segurança do “CSITech” apontou ter testado a aplicação e confirmado que ela faz “na lata” o que afirma fazer, assegurando ter sido capaz de obter o endereço IP interno e externo de um amigo nos Estados Unidos a poucos quilômetros de sua casa, de um amigo na Ásia e o seu próprio.
Nick salientou também que, de forma preocupante, o IP interno combinado com o endereço de internet fornece a base para uma sondagem direta e, em seguida, a possibilidade de qualquer indivíduo efetuar um ataque contra alguém constante da agenda endereços global do Skype.
O pesquisador mencionou também que um site teria sido criado para fornecer uma maneira mais fácil de explorar o rastreamento de IP, mas que o mesmo ainda não havia sido verificado quanto à malware.
Fato é que estranhamento o mencionado site, anteriormente disponível em “http://skype-ip-finder.tk”, encontra-se atualmente indisponível para acesso, havendo inclusive um aviso de que o domínio teria sido suspenso.
Antes que alguém fique em pânico, não está claro se o problema afeta a atual empresa proprietária do Skype ou apenas a eventual obfuscação da compilação, muito embora alterações que possam ser levadas a cabo no código fonte do Skype pela Microsoft, tendo em vista a grande quantidade de integrações que a empresa está planejando no seu código base, são sem dúvida uma esperança até mesmo tardia para a resolução do problema apresentado.
De qualquer forma, basta que os usuários fechem o programa quando não o estiverem usando para que possam minimizar eventuais ameaças.
Segundo informou Adrian Asher, Diretor de segurança de produto da Skype, num comunicado distribuído por e-mail, estariam sendo investigados relatos de uma nova ferramenta que poderia capturar o último endereço IP conhecido de um usuário do Skype, salientando que este seria um problema enfrentado por todas as empresas que desenvolvem software “peer-to-peer”, motivo pelo qual medidas estariam sendo tomadas para ajudar e proteger clientes.

Fonte: Iain Thomson para o “The Register”.

Polícia da Inglaterra planeja utilizar software de 1980 nas Olimpíadas.

Jogos Olimpícos de LondresA Polícia Metropolitana da Inglaterra usará um software da década de 1980 para coordenar o comando e as comunicações de suas operações de policiamento durante os Jogos Olímpicos de Londres.
O software, conhecido como “MetOps”, estará instalado no Comando de Operações Especiais (SOR), uma sala central e de apoio de comunicações que permitiu controlar mais de 500 grandes incidentes e eventos a cada ano, de acordo com um relatório da Polícia inglesa relacionado aos incidentes ocorridos na cidade de Londres em agosto de 2011.
O “MetOps”, um sistema de mensagens e de gravação, não foi projetado para o gerenciamento dinâmico de incidentes, e os comandantes dos meios utilizados nas operações não terão uma forma simples de ver a situação atual de um incidente no momento em que o mesmo estiver ocorrendo, segundo o relatório.
O tempo de vida do sistema “MetOps” indica que ele não está diretamente ligado ao software utilizado no centro de comunicações do Comando de Operações Especiais da Polícia inglesa (SOR), cujo sistema é identificado pelo nome de “despacho assistido por computador” (CAD), o que, segundo o relatório, pode resultar no fato do centro de comunicações não vir a ter conhecimento do que está sendo tratado dentro do “SOR” e vice-versa, até porque aquele comando pode não ter consciência do que está sendo tratado através do sistema de “CAD”.
Ainda segundo o relatório, limitações do sistema contribuíram para uma série de questões durante os tumultos ocorridos em agosto de 2011, incluindo a incapacidade de monitorar incidentes chave, comunicação lenta com comandantes nas ruas, falta de capacidade de transferir o comando para as equipes que se aproximavam e incapacidade de registrar as principais decisões e fundamentos para revisão futura.
Estas limitações significativas em torno do fluxo de informação, comunicação e coordenação dos recursos, além da enorme escala de tarefas, representaram um imenso desafio para as pessoas dentro do “SOR”, particularmente nos distúrbios ocorridos em 08 de agosto de 2011.
O processo de substituição do “MetOps” já está em curso, além de terem sido apresentadas algumas soluções temporárias, incluindo um novo sistema “GIS” o qual está sendo testado para auxiliar na coordenação dos recursos.
Também está sendo considerada pelo “SOR” a adoção do software atualmente utilizado na investigação de crimes contra a vida.
O relatório aponta que o uso de “CCTV” provou ser um fundamental à investigação de crimes cometidos durante os distúrbios, mas também afirma que existiram desafios significativos devido ao grande volume de imagens, cerca de 200.000 horas, que tiveram que ser examinadas.
A atenção da polícia para a mídia social também foi examinada no relatório, o qual destaca ter sido criado um grupo direcionado a comunicação digital, cujo propósito seria prover respostas no sentido de monitorar as mídias sociais em tempo real durante os tumultos já mencionados.
A intenção deste grupo seria a utilização da mídia social para ajudar a polícia a entender o que estaria acontecendo nas comunidades monitoradas.

Fonte: Guardian Government Computing do The Register.