FMI é vítima de ataque cibernético grande e sofisticado.

Fundo Monetário InternacionalO Fundo Monetário Internacional teria sido atingido por um “ciberataque grande e sofisticado”, que teria colocado informações potencialmente sensíveis e dados confidenciais sobre economias de vários países sob risco de exposição.
O alcance do ataque é desconhecido, segundo o “New York Times”, que publicou a notícia do incidente no sábado. Mas observou que o FMI, que ajuda a gerenciar crises financeiras ao redor do mundo, é “o repositório de informações altamente confidenciais sobre a condição fiscal de muitas nações”.
O ataque ocorreu ao longo dos últimos meses e foi divulgado internamente pelo FMI nesta quarta-feira aos seus funcionários e sua diretoria, disse o “Times”, que cita altos funcionários sem nomes como sua fonte. Um porta-voz do FMI confirmou ao jornal que o fundo está investigar um “incidente”, mas não quis dar detalhes. O porta-voz disse que o fundo continua sendo “totalmente funcional.”
Um outro funcionário não identificado disse ao “Times” que teria ocorrido uma “violação muito grave.”
O incidente, aparentemente, não tem relação com a prisão de Dominique Strauss-Kahn, ex-chefe do FMI, que foi preso em Nova York no mês passado por supostamente ter abusado sexualmente de uma empregada de hotel. Ele também parece não estar relacionado a um arrombamento na “RSA Security” ocorrido em Março que comprometeu seu sistema de acesso “SecurID”, informou o “Times”.
Os sistemas de computadores do FMI incluem comunicações com os líderes mundiais que negociam os termos de salvamentos internacionais, ainda segundo o “Times”. Segundo um funcionário que atua nos referidos acordos isto seria “dinamite política”.
O jornal destacou que não ficou claro quais as informações que os hackers foram capazes de acessar, no entanto, o FMI não disse onde o ataque se originou
Mohan Koo da empresa “Dtex Systems” no Reino Unido, disse que a recente onda de ataques em grandes organizações mundiais é preocupante porque elas se tornaram alvos de ações bem organizadas e executadas, e não de ataques oportunistas.
“Talvez o mais assustador de tudo é o fato de que este tipo de ataque pode ser facilmente direcionado para infra-estruturas críticas nacionais, as órgãos internos, comom por exemplo, Energia e Águas, onde o impacto de tal ruptura traria resultados severos, imediatos e potencialmente ameaçadores com consequências diárias para os cidadãos.”
Os especialistas em cibersegurança dizem que pode ser difícil para os pesquisadores provar que uma nação estava por trás deste ataque.
“Mesmo as nações em desenvolvimento são capazes de utilizar a Internet para mudar sua posição e capacidade de influência “, disse Jeffrey Carr, autor do livro “Inside Cyber ​​Warfare”.
“É algo que nunca poderia ter sido feito anteriormente, sem ouro ou sem poderio militar”, segundo Carr.
O Diretor da “CIA”, Leon Panetta, disse ao Congresso dos EUA em 09 de junho deste ano que os Estados Unidos enfrentarão a “possibilidade real” de um ataque cibernético de potencial destruidor em seus sistemas de potência, energia, segurança, sistemas financeiros e governamentais.
A empresa L’ockheed Martin Corp”, fornecedora principal do Pentágono e a maior provedora de tecnologia da informação para o governo dos EUA, divulgou há duas semanas que havia frustrado um ataque cibernético “significativo”. Segunda a empresa ela teria se tornado um “alvo freqüente dos adversários em todo o mundo”.
Também foram atingidos recentemente o “Citigroup Inc”, “Sony Corp” e “Google Inc”.

Fonte: James Niccolai, IDG News Service.

Deixe uma resposta