Grupo “Anonymous” cria cyber armadilha e divulga o endereço IP de quase duzentos supostos pedófilos.

AnonymousOs “hacktivistas” do “Anonymous” continuam sua cruzada contra sites de pornografia infantil, divulgando publicamente os endereços IP de 190 pessoas que supostamente estariam exibindo ilegalmente imagens sexuais de crianças em seus computadores.
“Anonymous” postou os endereços IP ontem, dia 02 de novembro.
Este foi o mais recente esforço do grupo em sua campanha para derrubar sites de pornografia infantil hospedados na “darknet”.
A “darknet” é qualquer parte da Internet que é deliberadamente escondida da vista e só pode ser alcançada através do anonimato do IP usando portais acessíveis por ferramentas como o “TOR”.
Sites da “darknet” são tradicionalmente usados para hospedar e comercializar pornografia infantil, além de oferecer outros serviços ilegais, tais como identidades falsas e esteroides.
Os hackers do “Anonymous” lançaram seu primeiro ataque em 20 de outubro p.p., tendo derrubado cerca de 40 destes sites pornográficos existentes na “darknet” e vazando os nomes de 1.589 membros ativos do “Lolita City”, um site de compartilhamento de arquivos usado por pedófilos.
Porém, o “Anonymous” não estava satisfeito com a resposta, ou falta dela, por parte das agências de aplicação da lei, motivo pelo qual resolveu divulgar os endereços IP utilizados pelos próprios infratores.
Numa mensagem que publicou na internet, o “Anonymous” explicou que utilizou um golpe de engenharia social, simples em sua missão e muito técnico na sua execução, para proceder à captura dos endereços IP dos usuários suspeitos de pornografia infantil.
O “Anonymous” descobriu que o projeto “TOR” iria lançar uma nova versão do software em 27 de outubro para abordar questões de segurança.
Eles teriam então contatado a Fundação Mozilla, criadores do navegador Firefox, para que fosse autorizada a criação pelo grupo de hackers de um botão, o qual na realidade era um dispositivo de rastreamento IP que direcionava todo o tráfego relacionado à pornografia infantil de volta para o grupo, sendo que este botão foi denominado “Pawt mel”, e o login para uso do mesmo “Whiny da Pedo”.
Num comunicado o “Anonymous” informou que o “Pawt Mel” não continha qualquer malware ou vírus tendo sido desenvolvido de acordo com as diretrizes do Firefox/Mozilla.
Com o seu dispositivo de rastreamento de IP no lugar, os hackers continuaram o que eles chamavam de “Operação Impressão da Pata”, nada mais do que um truque muito comum usado por “phishers” e cibercriminosos.
O grupo divulgou uma mensagem falsa de atualização de segurança do TOR num site denominado “Hard Candy”, o qual hospedaria sites de pornografia infantil e esperou que os usuários pedófilos do TOR fizessem o download, ocasião em que passou então a ser capaz de bloquear os pedidos de pessoas que tentavam visitar sites de pornografia infantil.
O grupo “Anonymous” acrescentou que o objetivo de sua operação não foi para lançar qualquer tipo de culpa no “TOR”, mas para mostrar que algumas maçãs podres podem ter estragado um serviço que para a maioria dos seus usuários é legítimos, dentre os quais jornalistas chineses e iranianos que acreditam no direito à liberdade de expressão.
Para aqueles que acompanham o nosso blog, tivemos oportunidade de alertar quanto ao uso indevido do “TOR” por parte de criminosos, em artigo denominado “Como os criminosos estão garantindo seu anonimato na internet” (http://bit.ly/s2yxdB), sendo nesta oportunidade sugerida uma profunda reflexão sobre as informações que estão ali contidas.

Deixe uma resposta