Nos Estados Unidos cibercriminosos estão furtando a identidade das crianças pela Internet

Furto Identidade

O furto de identidade sobrecarregou milhares de crianças americanas com dívidas, às vezes por anos, antes dos mesmos descobrirem que seus dados pessoais foram furtados, segundo um estudo divulgado.
Dentro de um banco de dados com 42.232 crianças, que foi compilado por uma empresa de proteção de identidade, 4.311 – 10,2% – teriam tido seus números de Segurança Social furtados, segundo um relatório de Richard Power, um ilustre membro da “Carnegie Mellon Cylab”.
Num dos casos mencionados no estudo, uma menina de 17 anos de idade, teria tido seu número de Segurança Social utilizado por oito pessoas diferentes acumulando 725.000 dólares em dívidas.
Em outro caso, um menino de 14 anos, tinha um histórico de crédito de 10 anos, o que incluía uma hipoteca sobre uma casa de 605.000 dólares, de acordo com informações prestadas ao governo por uma empresa de proteção de identidade.
O estudo analisou os tipos de documentos em que os números dea Segurança Social apareciam, e constatou que 70% foram pedidos de empréstimo ou de cartão de crédito, 18% em contas de serviço, 5% em avaliações de propriedade, ações, hipotecas, execuções hipotecárias, 4% em carteiras de motorista e 2% em registro de veículos.
Enquanto uma em cada 10 crianças mencionadas no banco de dados tiveram suas identidades furtadas, apenas 0,2% dos adultos foram vítima da mesma situação.
Segundo Richard Power, esta situação levanta algumas questões. “Os números de Segurança Social de crianças tornaram-se um produto quente?”, e questiona: “Seriam os cibercriminosos e outros fraudadores que os estariam procurando? Os fraudadores prefeririam os “I.D’s.” de crianças?”.
Entretanto, isso não faz muita diferença quanto ao percentual de identificações de crianças que são furtados, diz Richard Power, para o qual se você é alguém para quem isto ocorreu, a situação torna-se um pesadelo, sendo que a maioria das pessoas nem sequer consideram tal situação uma possibilidade. “A outra dimensão é aumentar a consciência de isto ser um problema”, segundo ele.
Em alguns casos, os próprios pais, com avaliações de crédito ruim, utilizam os números de seus filhos no Seguro Social para abrir contas com empresas de serviços públicos a fim de que eles possam conseguir água e eletricidade, sem intenção de prejudicar o crédito das crianças, segundo Bo Holland, CEO da “All Clear ID’s”.
Mas em outros casos, os criminosos usaram estes números para obterem lucro, sendo que alguns seriam utilizados por pessoas que estariam de forma ilegal nos Estados Unidos tentando obter crédito e comprar casas e carros.
A base de dados utilizada para o estudo foi gerada a partir de informações colhidas sobre menores de 18 anos que foram identificados no banco de dados “All Clear ID’s 800.000-plus”, com dados claros de que suas identificações pessoais teriam sido comprometidas.
A “All Clear ID’s” é contratada por empresas que sofreram violações de dados e desejam estender alguma proteção para aqueles que poderiam se tornar vítimas, segundo o CEO Bo Holland.
Na maioria dos casos, as identidades ameaçadas por violações de dados não estão sob ataque sistemático, afirmou Holland. As identidades são comprometidas, mas não parecem ser utilizadas por pessoas que ativamente tentem se capitalizar com as mesmas. Nomes que fora comprometidos com os ataques que lhe foram direcionados foram retirados da base de dados utilizada para o estudo, ainda segundo Holland.

Fonte: Tim Greene, Network World

Deixe uma resposta