Palestras e Cursos

Prevenção de Crimes na Internet

Uma das melhores formas de prevenção a diversos problemas que podem surgir com o acesso a internet ou redes de computadores é a prevenção.
Isto normalmente ocorre quando existe uma preocupação maior por parte dos interessados em divulgar normas de segurança e difundir conhecimento.
Chama a atençao como a Internet se tornou cada vez mais um meio de comunicação. Milhões de utilizadores de todas as idades usam diariamente a Internet, e apesar de ser um meio versátil e uma fonte inesgotável de recursos, apresenta alguns perigos associados.
A segurança de crianças e adolescentes na Internet é hoje alvo da atenção de famílias, escolas e comunidades. Isto para não falar de governos (locais e centrais), empresas do setor de tecnologia da informação, órgãos de comunicação social, etc.
Apenas para ilustrarmos, de acordo com o relatório final de um programa piloto financiado pela Comissão Europeia em 1999, no âmbito do seu Plano de Ação Para a Utilização Segura da Internet, as preocupações com os perigos associados à utilização da Internet por crianças e jovens, são bem reais e podem ser agrupados em três categorias:

  • Conteúdos impróprios, legais ou ilegais, tais como a pornografia, pornografia infantil, violência, ódio, racismo e outros ideais extremistas, estão facilmente disponíveis a crianças e jovens através de uma grande variedade de dispositivos. Para além de poderem ser inadequados e prejudiciais a um desenvolvimento harmonioso, podem mesmo ofender os padrões e valores segundo os quais pretende educar os seus filhos ou educandos.
  • Contatos potenciais por parte de pessoas mal intencionadas, que usam o email, salas de chat, instant messaging, fóruns, grupos de discussão, jogos online, dentre outros médtodos, para ganharem acesso fácil a crianças e jovens e que poderão desejar fazer-lhes mal e enganá-las, representam uma verdadeira ameaça.
  • Comércio – práticas comerciais e publicitárias não-éticas que, não distinguindo a informação da publicidade, podem enganar crianças e jovens, promover a recolha de informações que violam a sua privacidade e promover a venda directa a crianças, atraindo-as a fazerem compras não autorizadas.
  • Comportamentos irresponsáveis ou compulsivos que, aliados ao uso excessivo da tecnologia, podem resultar na redução da sociabilidade e do aproveitamento escolar, podendo mesmo conduzir à dependência. De facto, a American Psychological Association tem alertadopara o fato de que é possível que crianças, jovens e adultos possam tornar-se psicologicamente dependentes da Internet (IAD – Internet Addiction Disorder) e esta perturbação pode ocorrer com outras tecnologias, como é o caso dos jogos eletrônicos (online e offline).
  • Direito Autoral - a violação dos direitos de autor, resultante da cópia, partilha, adulteração ou pirataria de conteúdos protegidos pela lei, tais como programas de computador, textos, imagens,arquivos de áudio e/ou vídeo, para fins particulares, comerciais ou de plágio em trabalhos escolares ou outros, pode resultar em graves problemas de natureza jurídica e até financeira.

Hoje, a tecnologia coloca o mundo ao seu alcance, no quarto de dormir e salas de aula de crianças e jovens. Todas estas tecnologias dotam crianças e jovens com fontes de informação, ideias, ligações e recursos fantásticos e sem precedentes. Se tal pode significar facilidade de acesso a um manancial de recursos que são cruciais à sua educação e desenvolvimento, também podem significar toda uma série de novos riscos, perigos e ameaças que poderão não ser do conhecimento de famílias, escolas e comunidades ou com os quais estas podem não saber como lidar. Assim, se usadas de forma irresponsável e não segura, as novas tecnologias de informação e comunicação podem gerar mais problemas do que benefícios.
Já é fato incontestável há um bom tempo que os investimentos em segurança da informação estão na lista de prioridades da grande maioria das empresas.
Existem diversos estudos mostrando que as ameaças cibernéticas têm crescido significativamente no meio empresarial, tornando-se uma ameaça significativa. A maioria dos ataques têm como objetivo o furto de informações, incluindo dados de contas bancárias ou cartões de crédito.
O Relatório Symantec 2010 sobre Segurança da Informação nas Empresas mostra que as empresas da América Latina perdem mais de US$ 500 mil por ano em decorrência de ataques virtuais. Realizada em janeiro de 2010, a pesquisa aponta que 49% das companhias latino-americanas foram alvo de algum tipo de ataque pela rede nos últimos 12 meses e que 48% das empresas brasileiras já perderam algum tipo de dado confidencial ou proprietário nos últimos meses.
É fundamental haver cada vez mais conscientização em relação ao problema, pois o alvo pode ser qualquer empresa, qualquer usuário. No segmento de pequenas e médias empresas, não pode mais haver a ilusão de que somente as grandes corporações precisam se precaver. O risco é, de fato, generalizado. Muitas empresas acreditam e continuam acreditando, que bastava fazer a instalação de um sistema anti-vírus que os computadores estariam seguros. O anti-vírus é o mínimo apenas, muito longe de ser o suficiente.
Pensando nestas questões, estamos oferecendo para escolas e empresas, nossa experiência e conhecimento em questões relacionadas a segurança da informação e uso de tecnologias.
Caso seja do interesse de seu colégio, Faculdade ou Empresa, podemos ministrar cursos e palestras relacionados ao tema de segurança da informação e prevenção de ilícitos envolvendo tecnologia.
Havendo interesse, entre em contato conosco, através do endereço de correio eletrônico mariano@delegadodepolícia.com e poderemos agendar a participação em cursos ou eventos.

Deixe uma resposta