Parlamento japonês é atingido por cyber-ataque.

Parlamento JaponêsDe acordo com relatos da mídia local, os hackers foram capazes de bisbilhotar e-mails e furtar senhas de computadores pertencentes aos legisladores no Parlamento japonês por mais de um mês.
Uma reportagem do “Asahi Shimbun” afirma que PCs e servidores foram infectados depois que um cavalo de Tróia foi enviado a um membro da Câmara dos Deputados em julho, ocasião em que o mesmo teria transferido um malware a partir de um servidor baseado na China, acreditando-se que os hackers teriam usado as senhas furtadas para vasculhar os computadores dos legisladores japoneses e obter informações confidenciais sobre a política nacional, principalmente dados relacionados à política externa e de defesa.
A Câmara dos Deputados do Japão convocou uma sessão especial para investigar o caso, sendo os legisladores foram instruídos a alterar suas senhas de e-mail.
Os Legisladores japoneses usavam seus computadores para trocar e-mail com organizações governamentais e outros membros da câmara baixa, e alguns armazenavam informações pessoais, bem como documentos sensíveis.
Um porta-voz da Câmara disse ao jornal “Asahi Shimbun”, que não teriam conhecimento de quaisquer danos tangíveis, tais como perda de dados decorrentes da ação dos hackers.
Analistas descobriram que o cavalo de Tróia teria sido lançado de um servidor baseado na China. No entanto, especialistas em segurança foram rápidos em apontar que isso não implica automaticamente que a China estivesse envolvida qualquer irregularidade.
Segundo Graham Cluley da empresa de segurança “Sophos”, é perfeitamente possível que o ataque tenha sido obra de um hacker solitário chinês, sem o apoio de seu governo ou dos militares daquele país, sendo ainda mais relevante que hackers podem plantar seus malwares em servidores de todo o mundo o que não significaria, por exemplo, que um hacker que armazenasse um malware num servidor na Nova Zelândia esteja a serviço daquele país.
De qualquer forma, a China tem sido acusada de liderar ataques online contra agências governamentais e empresas, alegações que o governo Chinês sempre negou.

Furto de Dados

Furto de Dados

Deixe uma resposta