Privacidade, segurança e mapeamento “online”

Mapeamento Digital

Mapeamento digital (também chamado de cartografia digital) é o processo pelo qual um conjunto de dados são compilados e formatados em uma imagem virtual.
A principal função desta tecnologia é a produção de mapas que dão representações precisas de uma área específica, detalhando os principais eixos rodoviários e outros pontos de interesse. A tecnologia também permite o cálculo de distâncias de um local para outro.
Embora o mapeamento digital possa ser encontrado em uma variedade de aplicações informáticas, tais como o “Google Earth”, o principal uso desses mapas é no “Global Positioning System”, ou “G.P.S.” uma rede de satélites, utilizados em sistemas de navegação automotiva.
É certo que o mapeamento digital e a fotografia podem trazer o mundo mais perto de você. O problema é que, para algumas pessoas, isso é muito perto.
Existem inúmeras aplicações onde viajantes podem ver informações muito precisas para onde eles estão indo, mas também é fato de que isto beneficia uma prática conhecida como “voyeurismo”, que tem uma grande tendência de crescimento na atualidade.
São inúmeros os fotógrafos amadores que estão colocando suas fotos em serviços de armazenamento como o “Flickr”, enquanto inúmeras agências de turismo estão disponibilizando “webcams” para destacar praias, hotéis e calçadões.
Enquanto isso, os cartógrafos não estão apenas produzindo mapas em papel, mas planos detalhados de cidades “online” e com imagens vinculadas a endereços específicos.
Muitas fotos do nosso mundo estão sempre disponíveis graças ao Google, Bing e outros, muitas delas há apenas um clique de um mouse.
É claro que existem inúmeras vantagens nestes serviços: veranistas cansados de basearem suas viagens apenas em folhetos promocionais podem simplesmente visualizar uma “webcam” para verificar se as coisas que desejam em suas viagens estão realmente ao seu alcance e se existe infra-estrutura adequada no local para atender as suas pretensões.
Estes serviços também são úteis para aqueles em viagem. Qualquer pessoa com um telefone celular multimídia pode usá-lo para saber como chegar ao restaurante mais próximo da Mongólia, verificando o cardápio online enquanto está em curso (supondo que o estabelecimento tenha publicado o mesmo on-line). Uma vez feito isso, o celular pode ajudar o usuário a encontrar a programação de um trem e o caminho de casa.
Mas a qualidade e a quantidade das informações disponibilizadas pelos inúmeros serviços de mapeamento digital podem se tornar algo extremamente preocupante.
Serviços como o “Street View” da Microsoft e o “Google Earth”, podem ser utilizados de forma completamente diferente, como nos setores imobiliário e bancário, onde, com um clique, informações de propriedades podem ser usadas para análise de crédito dos clientes podendo alterar inclusive o preço das propriedades.
Mas não é só isso: os criminosos podem também usar estes serviços para ganhar dinheiro, pois graças
ao mapeamento on-line, nenhuma barreira é alta o suficiente para assegurar proteção.
Em um exemplo recente, um homem na Finlândia estava nu sentado em uma cadeira em sua propriedade e foi capturado por uma câmera 2,9 metros acima do nível da rua, utilizada para o serviço “Street View”.
O fato de seu rosto estar digitalmente turvo foi apenas um pequeno consolo.
Na Grã-Bretanha, uma mulher pediu o divórcio depois de ver o carro de seu marido estacionado na casa de um amigo num momento em que ele lhe disse que ele estava em outro lugar.
A verdadeira questão é como lidar com um mundo onde tantos dados estão disponíveis através de um clique do mouse?
O problema é que a nossa legislação de segurança de dados data de uma época quando as pessoas estavam pensando em pilhas de papel e talvez conversas telefônicas, e não num fenômeno como a Internet, tal qual ela é  hoje.
Torna-se necessária uma abordagem mais moderna no que diz respeito a segurança global de dados, mesmo com argumentações contrárias de que determinadas imagens são de domínio público.
Fato é que, informação de mapeamento on-line, pode ser uma ferramenta muito perigosa nas mãos de criminosos.
Imagine como muitas ações criminosas podem ser realizadas a partir do conhecimento pormenorizado de prédios e instalações, sem levarmos em conta aspectos de privacidade das pessoas.

Deixe uma resposta