Relatório e ranking de Cyber segurança mostra a maioria dos países atrasados em relação aos cyber criminosos: Brasil aparece nas últimas posições.

Cyber securityNo cenário atual, os Estados Unidos e o Reino Unido estão relativamente bem preparados para ataques virtuais em comparação com muitas outras nações desenvolvidas, segundo relatório de cyber segurança produzido pela empresa de segurança “McAfee” e pela “Security & Defence Agenda (SDA)”.
O relatório, que classifica 23 países no que diz respeito à chamada “cyber prontidão de segurança”, não dá a nenhum país a nota mais alta, cinco estrelas.
Israel, Suécia e Finlândia obtiveram quatro estrelas e meia, enquanto oito países, incluindo os Estados Unidos, Reino Unido, França e Alemanha, receberam quatro estrelas.
Índia, Brasil e México aparecem nas últimas posições.
Nenhum país está à frente de atacantes cibernéticos, segundo informou Phyllis Schneck, CTO do setor público da empresa “McAfee”, uma vez que os mesmos estariam agindo “mais rápido e mais rápido” do que os mocinhos.
Ainda segundo Schneck, os cyber criminosos não têm que lutar com informações jurídicas e questões de política, podendo compartilhar livremente uns com os outros sem se preocupar com questões competitivas.
A executiva finalizou dizendo que estamos enfrentando um adversário que não tem limites, enquanto temos de ir a reuniões e escrever relatórios para compartilhar nossos dados, o que nos coloca numa enorme desvantagem.
A “S.D.A.”, um grupo de estudos para segurança cibernética estabelecido em Bruxelas, entrevistou 80 especialistas em segurança cibernética para a elaboração do relatório, além de entrevistar adicionalmente outras 250 pessoas.
57% dos entrevistados disseram acreditar que uma cyber corrida armamentista está acontecendo, e 36% disseram acreditar que a segurança cibernética é mais importante do que defesa antimísseis.
Quase meio por cento dos entrevistados, 45, disseram que cyber segurança é tão importante quanto à segurança de fronteiras.
Um tema comum entre os especialistas em segurança cibernética foi quanto à necessidade da troca global de informações sobre ameaças cibernéticas em tempo real.
Os especialistas também chamaram a atenção para a necessidade de uma melhor partilha de informação entre as próprias empresas e entre empresas privadas e o governo.
Phyllis Schneck afirmou que o relatório abre-se a ideia de novos acordos globais que podem levar à partilha de informações, muito embora ache difícil a sua implantação num curto espaço de tempo.
Ela acrescentou que os países podem trabalhar juntos para estabelecer o compartilhamento de informações, muito embora não seja possível dar livre acesso as mesmas a todos, devendo-se apenas viabilizar uma forma de armazenar as mais importantes e torná-las acessíveis.
Schneck também afirmou que as empresas estão preocupadas com seus clientes em perigo, o que diminui os preços de suas ações, além de inúmeros outros problemas decorrentes do compartilhamento de informações em demasia, salientando que cada pessoa racional do planeta concordaria que colocar todas as informações em conjunto, permitiria que se tivesse uma imagem muito melhor da ameaça.
Ela finalizou dizendo que o compartilhamento de informações em tempo real, é uma forma legítima pela qual grupos podem ganhar uma vantagem sobre os atacantes cibernéticos, uma vez que os adversários não possuem a infraestrutura de rede.
No ranking por países, os peritos em cyber segurança entrevistadas para o relatório elogiaram os esforços dos Estados Unidos, incluindo a criação pela Casa Branca de um “cyber czar” de segurança no ano passado.
Segundo os entrevistados, nos últimos anos, o governo dos Estados Unidos tem se concentrado muito mais em segurança cibernética.
O ranking dos países que se encontram no meio do bloco inclui Japão, China, Rússia e Canadá, enquanto o Brasil, Índia e a Roménia receberam duas estrelas e meia e o México apenas duas estrelas.
Segundo Samuel Cherian, do “Institute for Defence Studies and Analyses”, em Nova Delhi, na Índia a população foi direto do uso de qualquer telefone para os mais recentes em tecnologia móvel, mesmo com computadores conectados à Internet.
As classificações apresentadas no relatório são baseadas no Modelo de Maturidade de Segurança Cibernética desenvolvido por Robert Lentz, presidente de Estratégias de Segurança cibernética e ex-subsecretário adjunto de cyber segurança do Departamento de Defesa dos Estados Unidos.
O modelo de Lentz leva em consideração a resiliência e a capacidades de defesa preditiva em oposição a reativa e manual, bem como as ferramentas disponíveis para defesa.
Uma série de recomendações são feitas pelo Relatório, dentre elas, o trabalho conjunto entre empresas e governos visando a adoção de definições para o compartilhamento de informações confiáveis aos envolvidos, além da implantação de campanhas de educação pública focadas em cyber segurança.
O relatório também apela para que às empresas se concentrem na utilização de smartphones e na segurança da computação em nuvem.

Fonte: Grant Gross para o “IDG News Service”.

Deixe uma resposta