Reportagens sobre Operação Policial realizada em Joinville para repressão ao chamado “card sharing”, modalidade de pirataria de TV por assinatura mediante envio de sinal por satélite.

Pirataria de TV

Em data de 23 de Junho de 2010 foi realizada operação policial entre o Ministério Público de Santa Catarina e as Polícias Civis de São Paulo e Santa Catarina para reprimir o chamado “card sharing”, modalidade de pirataria que visa fraudar a criptografia empregada pelas empresas de televisão por assinatura.
O cardsharing é conhecido por muitas pessoas como uma solução para se ter acesso a certos tipos de canais de televisão distribuida por satélite, o chamado “D.T.H.” (Direct to Home). Há alguns poucos anos, o cardsharing começou a ser conhecido e utilizado pelos italianos, ingleses e nórdicos, com o objetivo de compartilhar chaves de acesso criptografadas de alguns sistemas de proteção da programação enviada pelo satélite, a exemplo do “NDS” da empresa  “SKY”.
Os sistemas de encriptação como  o Conax, que era totalmente impossível de desencriptar devido às suas barreiras de segurança, acabaram sendo vencidos, através de emulação, utilizando sistemas de cardsharing.
Um usuário brasileiro pode trocar um card virtualmente com um inglês, por exemplo, e assim ter acesso a criptografia da “NDS”, ficando o inglês com acesso aos canais compartilhados e podendo, ainda, recompartilhá-los com outros usuários.
Assim, o cardsharing vem sendo ilegalmente utilizado, podendo um só emulador (“cam”) suportar todas os cards e assim, sem necessitar mudar configurações ou emuladores poder acessar inúmeros canais.
CardSharing consiste na partilha de um ou vários cartões de decodificação através da Internet. Funciona através da conexão de dois ou mais receptores. Num dos receptores é colocado um cartão decodificador de um determinado operador, o primeiro equipamento funciona como receptor/servidor: lê os dados do cartão decodificador e passa-os para outro (ou outros receptores), fazendo com que este funcione como se tivesse também um cartão original. Ou seja, na prática, permite que um só cartão de assinante “abra” o sinal nos outros receptores que estejam permanentemente conectados através da Internet ao receptor/servidor que tem o cartão.
Contrariamente ao que muitos possam pensar, não se trata de um sistema em que são partilhadas as imagens ou o sinal de satélite ou cabo, mas apenas os dados de decodificação do cartão.

Card Sharing

 
Veja abaixo a repercussão desta operação policial na imprensa de toda a região sul do país.

 

 

Deixe uma resposta